canto em meio ao mar


         falta-me
a língua da qual teu nome
                         emerge:
límpido
    nexo entre bocas
e bocetas

meu canto soçobra no chamar-te
      e lança garrafas com pentelhos
            e pétalas

                                             menos vivo
como houvesse devorado
    o farto corpo do Atlântico
                        e na garganta exasperado
          trouxesse algas

atiro poemas nas gaivotas...

Nenhum comentário:

outras postagens

Arquivo do blog